Bacalhau gratinado “sonho meu”

A Páscoa se aproxima e temos que comemorar essa data que significa renascimento principalmente neste momento difícil de isolamento social e reclusão. Pensei em uma receita prática e de fácil preparo, sem que perca com isso o sabor especial e o requinte. Que tal preparar um suflê de bacalhau gratinado pra alegrar o almoço ou jantar de sua casa? Sugiro fortemente experimentar, pois, essa receita é um sonho de tão deliciosa!

Ingredientes:

300 g de bacalhau dessalgado

200ml de leite de coco (usei Sococo)

3 colheres de sopa de maisena

2 colheres de sopa de água

3 ovos (gemas e claras separadas)

150 g de queijo em cubos (usei meia cura)

1 cebola brunoise (cortada em cubinhos pequenos)

2 tomates concassé (sem pele e sem sementes em cubos pequenos)

Noz-moscada e pimenta do reino branca moída na hora a gosto

Modo de preparo:

Dessalgue o bacalhau, deixando-o imerso em água de um dia para o outro trocando a água nesse intervalo de tempo. No dia seguinte, escorra a água do demolho, cubra-o com água fervente e escorra em seguida, reserve. Em uma panela, coloque o leite de coco, adicione a maisena diluída em 2 colheres de sopa de água e leve a panela ao fogo baixo, cozinhe mexendo continuadamente até obter um mingau, desligue o fogo, adicione as gemas uma a uma mexendo energeticamente para que as gemas não escaldem. Em seguida, adicione o tomate, a cebola, o queijo cortado em cubos pequenos, a noz-moscada, a pimenta, as claras batidas em neve, e, por último o bacalhau desfiado grosseiramente em pequenos pedaços. Misture tudo delicadamente, despeje em um refratário que possa ir ao forno, untado com manteiga ou margarina e polvilhado com farinha de rosca. Asse em forno médio preaquecido por uns 30 minutos ou até que esteja dourado. Sirva quente. Sugestão para acompanhamento: arroz e legumes salteados.

Dicas:

O bacalhau dessa receita pode ser substituído por merluza ou pescada.

Bom apetite e Feliz Páscoa!

Maria Sônia

Suflé de queijo com cogumelos

Boa opção para essa época, por conta do frio e por encontrarmos cogumelos com maior facilidade e preços mais acessíveis. Então, não perca tempo, experimente!

Ingredientes:

150 g de cogumelo champignon

150 g de cogumelos portobello

2 colheres de azeite

Suco de 1 limão

Água

3 colheres de sopa de margarina

4 colheres de sopa de farinha de trigo

2 xícaras de leite

½ xícara de queijo parmesão ralado

½ xícara de queijo tipo emmental ralado

4 gemas

4 claras em ponto de neve mole

Noz-moscada e pimenta do reino moídos na hora a gosto

Modo de preparo:

Coloque os cogumelos em um bowl , adicione água o suficiente para cobri-los, junte o suco do limão e deixe descansar por uns 20 minutos, em seguida, lave os cogumelos com essa mesma água, seque-os com papel toalha e reserve. Leve ao fogo uma caçarola de fundo largo e de preferência grosso, coloque o azeite e os cogumelos fatiados em fatias finas e mantenha em fogo alto sem mexer por uns 5 minutos, chacoalhe a panela e deixe por mais 5 minutos, tempere com noz-moscada, pimenta e sal, mexa e desligue o fogo. Passe os cogumelos para uma vasilha e reserve. Na mesma caçarola, coloque a margarina, ligue o fogo, quando a margarina derreter, mantenha o fogo baixíssimo, como se fosse desligar, adicione a farinha de trigo e mexa com o auxílio de um pão duro, vá adicionando o leite aos poucos mexendo continuadamente, aumente um pouco o fogo e cozinhe por 5 minutos até obter um mingau, retire a panela do fogo, adicione as gemas uma a uma mexendo sempre, adicione os queijos ralados, o cogumelo reservado e misture bem, reserve. Bata as claras em neve e adicione delicadamente ao suflê. Em seguida Deite a massa em uma forma untada e polvilhada com farinha de rosca. Asse em forno 180°C por aproximadamente 35 minutos. Retire do forno e sirva. OBS.: Se servir como entrada rende 4 porções, caso sirva como prato principal, 2.

Dicas:

É importante que o preparo dos cogumelos seja seguido como o recomendado acima, para evitar que fiquem “borrachudos”. Caso opte por queijos menos salgados, verifique o sal antes de colocar o suflê na forma.

Supremo!

Maria Sônia

Nhoque de mandioca e ricota

Nhoque é um prato conhecido, dei uma repaginada no tradicional utilizando mandioca e ricota para o preparo da massa. Ficou uma delícia, não deixe de provar!

Ingredientes:

500 g de ricota (usei da marca Quatá)

3 xícaras de mandioca cozida e amassada

1 ovo

1 colher de chá de sal

1 colher de sopa de chimichurri especial para legumes

½ colher de café de noz-moscada ralada

1 xícara de farinha de trigo (ou 3/4 de xícara de fécula de batata)

Modo de preparo:

Cozinhe a mandioca normalmente, escorra dispensando a água, aguarde amornar e passe-a pelo espremedor de batatas, pelo processador ou por um ralo fino caso a mandioca esteja muito enxuta. Junte a ricota, o ovo, o sal, o chimichurri e a noz-moscada, amasse bem com a mão até obter uma massa bem homogênea, em seguida, adicione a farinha aos poucos continuando a amassar com a mão (cuide com o ponto da massa, nem sempre é necessário adicionar toda a farinha). Deixe a massa descansar por uns 30 minutos. Passado o tempo, pegue pequenas porções da massa e faça rolos cilíndricos sobre um plástico aberto, corte os nhoques e vá reservando-os sobre uma superfície polvilhada com farinha ou sobre um plástico para não grudarem. Terminada toda a massa, leve ao fogo uma panela com um litro de água, quando ferver, adicione uma colher de sopa de sal e deixe voltar a ferver, adicione os nhoques aos poucos e deixe cozinharem até subirem à superfície da água, retire com o auxílio de uma escumadeira e vá colocando em um refratário. Estão prontos para você servir como desejar. O molho fica por sua conta, pois por ser de sabor neutro, esse nhoque irá combinar com qualquer tipo de molho.

Dicas:

Caso a mandioca esteja bem enxuta, isso é, com muito amido (esbranquiçada por dentro) você irá precisar usar pouca farinha para alcançar o ponto ou até será possível preparar seu nhoque sem a adição de farinha de trigo, o que é ótimo para quem é celíaco ou para quem optar por não adicionar glúten à receita.

Servi com molho bolonhesa e branco com cogumelos, nesse último, fritei os nhoques na manteiga, deixando-os com um sabor ainda melhor.

Delicioso como não podia deixar de ser!

Maria Sônia

Sopa especial de mandioca

O inverno tem data marcada para acabar, ele se despedirá de nós dia 22 de setembro. As sopas são pratos característicos dessa temporada que nos aquecem e nutrem. Mas, os bons apreciadores do prato não deixam de degustar uma boa sopa em qualquer época. Essa é deliciosa e leva como ingredientes chaves a mandioca (aipim) e a carne seca. Não deixe de provar!

Ingredientes:

600 g de mandioca cozida normalmente (não se esqueça de retirar o fio central da raiz)

500 g de carne seca

1 xícara de arroz (de preferência, arroz para risoto)

100 g de quiabo

1 cebola grande

5 dentes de alho

1 folha de louro

½ maço de coentro fresco

Noz-moscada a gosto

Modo de preparo:

Dessalgue a carne como indicado na embalagem ou, caso compre avulsa, corte-a em pedaço médios, coloque-os em uma vasilha imersos em água e mantenha assim por 12 horas trocando a água a cada 3 horas. Coloque a carne dessalgada em uma panela pressão, adicione a folha de louro, um litro de água, a cebola cortada ao meio, os dentes de alho inteiros e leve ao fogo, quando ferver, tampe a panela e cozinhe por 20 minutos. Deixe amornar, desfie a carne e volte-a para a panela. Amasse a mandioca com o auxílio de um garfo ou bata-a no liquidificador/processador com um litro de água (se oprtar por amassar a mandioca com o garfo, esse litro de água deve ser adicionado juntamente a ela no próximo passo), despeje na panela e adicione o arroz e os quiabos cortados bem fininhos. Baixe o fogo ao máximo e cozinhe até que o arroz esteja na consistência desejada, mexendo de vez em quando. Prove o sal. Adicione o coentro bem picado e a noz-moscada, sirva quente.

Você vai querer repetir o prato!

Maria Sônia

Pão saloio recheado de bacalhau

Saloios é o termo usado para denominar os camponeses dos arredores de Lisboa ao norte do rio Tejo que antigamente iam até Lisboa vender seus produto agrícolas. Pão saloio quer dizer pão da roça. Essa versão (deliciosa!) é recheada de bacalhau. O bacalhau fica úmido e tenro. Receitinha rápida e fácil pra comer bem quente nos dias frios de inverno. Aproveite!

Recheio

Ingredientes:

350 g de bacalhau dessalgado

3 colheres de sopa de azeite

1 cebola média

Massa

Ingredientes:

100 ml de creme de leite culinário

3 colheres de sopa de azeite

1 ovo

250 g de farinha de trigo

½ colher de sopa de fermento em pó

Noz-moscada e pimenta do reino a gosto

½ colher de sopa de salsa desidratada

½ colher de café de sal

½ colher de sopa de leite com um pouco de café (para pincelar a massa)

Modo de preparo:

Dessalgue o bacalhau: leve ao fogo uma panela com ½ litro de água, quando ferver, adicione o bacalhau, quando a água voltar a ferver, retire do fogo, escorra dispensando a agua, desfie o bacalhau não muito fino, reserve. Leve ao fogo uma caçarola com o azeite e refogue a cebola cortada em meia lua, sem deixar dourar, junte o bacalhau, mexa, retire do fogo. Prepare a massa seguindo a adição dos ingredientes como escrito acima. Divida-a em duas partes, com uma parte, forre o fundo e a lateral de uma forma pequena, acomode o bacalhau, cubra com o restante da massa, pincele com a mistura de leite com café, leve para assar em forno médio preaquecido por aproximadamente 20 minutos ou até que a massa esteja dourada. Sirva quente.

Dicas:

A massa é maleável e não gruda nas mãos, recomendo não adicionar mais farinha, para obter um bom resultado após assada. Não recomendo adicionar legumes a essa receita, para evitar o acúmulo de líquido, caso queira servir acompanhado de legumes, prepare-os a parte.

Bom apetite!

Maria Sônia

Creme de milho verde e mandioca

Milho e mandioca, dois alimentos indispensáveis na cozinha brasileira, andando lado a lado nessa receita deliciosa. Os dois se complementam sem haver disputas e sim uma combinação perfeita, de cremosidade e sabor sem iguais.

Ingredientes:

1 litro de água

2 xícaras e ½ de milho verde

200 g de mandioca cozida

1 cebola grande

2 dentes de alho

2 colheres de sopa de óleo

1 pimenta dedo de moça sem as sementes

1 colher de sobremesa de sal

Noz-moscada moída na hora

½ maço de coentro fresco

1 colher de sopa de manteiga

Modo de preparo:

Descasque o milho, remova os “cabelos”, com uma faca, retire os grãos do sabugo cuidadosamente, reserve. Leve ao fogo uma panela com o óleo, a cebola e o alho, refogue sem deixar dourar, adicione o milho, mexa e adicione uma xícara da água, cozinhe por uns 10 minutos. Retire do fogo, bata no liquidificador o milho junto com mandioca, despeje de volta à panela e leve ao fogo baixo. Tempere com a pimenta dedo de moça bem picadinha, a noz-moscada e o sal. Cozinhe em fogo baixo mexendo de vez em quando por 10 minutos. Desligue o fogo, adicione a manteiga, o coentro bem picado e sirva em seguida.

Dicas:

Caso goste, adicione a essa receita 100 g de toucinho fresco sem pele. Nesse caso, refogue-o junto com o milho em grão e em seguida bata junto e siga os outros passos da receita normalmente.

Aproveite o inverno!

Maria Sônia

Rocambole salgado

De goiaba ou doce de leite eu tenho certeza que você já provou, agora, que tal saborear um delicioso rocambole de mandioca com espinafre e queijo? Macio, bem recheado e prático para o lanche ou almoço, não deixe de experimentar!

Ingredientes:

Massa

600 g de mandioca cozida

1 ovo

3 colheres de sopa de farinha de trigo

2 colheres de sopa de óleo

½ xícara de queijo ralado (usei parmesão ralado na hora)

Recheio

1 maço de espinafre

1 colher de sopa de margarina

3 colheres de sopa de farinha de trigo

½ colher de sopa de caldo de legumes ou sal a gosto

½ xícara de creme de leite sem soro

Pimenta do reino e noz-moscada a gosto

Queijo mussarela a gosto

Modo de preparo:

Escalde/branqueie o espinafre em água fervente por 3 minutos, escorra a água, pique o espinafre bem picado. Coloque a margarina em uma caçarola, adicione o espinafre, o caldo de legumes (ou sal a gosto), a farinha, mexa, junte o creme de leite, a pimenta do reino e a noz-moscada e cozinhe em fogo alto por uns 5 minutos, retire do fogo, reserve. Coloque a mandioca descascada, lavada e cortada em pedaços em uma panela de pressão, adicione água suficiente para cobri-la. Leve a panela ao fogo, quando ferver, tampe e cozinhe por 5 minutos, contando o tempo a partir do momento que pegar pressão. Desligue o fogo e deixe a pressão sair naturalmente. Em seguida, adicione sal, tampe a panela e aguarde 5 minutos. Escorra dispensando a água da cocção, coloque a mandioca em um bowl, remova a fibra central e amasse bem ou passe pelo espremedor de batatas/ mixer. Junte todos os outros ingredientes da massa, misture, reserve. Unte uma forma de 30 cm de comprimento por 20 cm de largura com margarina e polvilhe com farinha de trigo. Acomode a massa espalhando-a em toda a forma com o auxílio de um pão duro. Asse em forno médio preaquecido por 20 minutos, retire do forno e desenforme sobre uma toalha limpa. Coloque mussarela fatiada sobre a massa deixando uma borda livre na espessura de um dedo sem mussarela, em seguida, distribua o recheio, enrole o rocambole, coloque-o em um refratário, salpique parmesão e leve novamente ao forno por 15 minutos.

Dicas:

A mandioca cozinha uniformemente quando sem a adição de sal, deixe para adicioná-lo depois de a mandioca estar cozida.

Aproveite!

Maria Sônia

Torta salgada de mandioca

Pra não cair na mesmice e variar as refeições, uma torta rápida e saudável cai bem! Sem glúten, pouca gordura, quantidade de proteínas , carboidratos e fibras na medida! Aproveite!

Massa

Ingredientes:

2 kg de mandioca cozida (bem amassada ou passada no mixer)

1 colher de sopa de salsinha desidratada

2 colheres de sopa de óleo

Noz-moscada a gosto

1 colher de sopa de café forte com leite (para pincelar)

Modo de preparo:

Junte todos os ingredientes em um bowl (com exceção do café com leite) e amasse bem, reserve ¼ da massa, com os outros ¾, forre o fundo e as laterais de uma forma de 30 cm de comprimento por 20 cm de largura, untada com margarina e enfarinhada com farinha de trigo. Distribua o recheio sobre a massa alternado com fatias de mussarela. Abra o restante da massa reservada sobre um plástico no tamanho da forma, transfira através do plástico e deite de uma vez sobre a forma, arremate os cantos fechando bem, pincele com o café com leite ou shoyu e asse em forno médio preaquecido por aproximadamente 30 minutos.

Recheio

Ingredientes:

5 xícaras de frango cozido e desfiado

3 colheres de sopa de óleo ou azeite

2 talos de salsão limpos e picados

½ xícara de azeitonas picadas (opcional)

200 g de cenouras cortadas em cubos pequenos (branqueada)

1 cebola grande

½ maço de cheiro verde

½ maço de cebolinha

1 pimentão pequeno picado

Queijo mussarela

Modo de preparo:

Cozinhe o frango como de costume, de forma que fique bem suculento e desfie-o sobre um bowl. Adicione os outros ingredientes, exceto o queijo, mexa, use como indicado acima.

Uma delícia!

Maria Sônia

Sopa criolla

Uma sopa nutritiva e revigorante, muito saborosa e um pouco picante. Pra aquecer e alimentar com qualidade! Não deixe de provar!

Ingredientes:

½ xícara de óleo vegetal

½ xícara de farinha de trigo

2 linguiças calabresa

1 cebola grande

2 pimentões médios de cores diferentes

2 tomates grandes sem pele e sem semente

½ salsão sem as folhas

1 e ½ xícara de arroz

Páprica picante

Pimenta do reino

Pimenta caiena

½ maço de cebolinha

2 litros de água

Modo de preparo:

Em uma panela grande de ferro fundido, coloque o óleo e a farinha e leve ao fogo mexendo sempre até que o roux esteja com uma cor dourada e com aroma de amêndoas torradas. Reduza o fogo e adicione a linguiça, a cebola, os pimentões, os tomates e o salsão (todos cortados em pedaços médios) e refogue por uns 10 a 15 minutos, junte 2 xícaras da água, mexa, tampe a panela e cozinhe até que seque todo caldo. Em seguida, adicione o arroz, o restante da água e cozinhe por aproximadamente 30 minutos ou até que o arroz esteja bem macio, mexendo de vez em quando. Tempere com as pimentas, sal, páprica e a cebolinha bem picada. Sirva em seguida.

Bom apetite!

Maria Sônia

Fava com linguiça calabresa e bacon

Um prato com a cara do Brasil nordestino, cheio de sabor e textura! Prove essa delícia!

Ingredientes:

500 g de fava seca

2 linguiças calabresa

150 g de bacon não muito gorduroso

2 xícaras de molho de tomate de boa qualidade (usei caseiro: https://mariamestrecuca.wordpress.com/2013/06/13/molho-de-tomates/)

4 dentes de alho

1 folha grande de louro

½ maço de coentro

1 pimenta dedo de moça (opcional)

Modo de preparo:

Lave a fava, deixe-a de molho imersa em água por 3 horas. Escorra dispensando a água, coloque a fava em uma panela de pressão com 1 litro de água e leve ao fogo, quando ferver, escorra dispensando a água, coloque mais água, o suficiente para cobrir a fava, e leve de volta ao fogo, quando ferver, tampe a panela e cozinhe por 10 minutos após pegar a pressão, retire do fogo e deixe a pressão sair naturalmente. Em uma panela larga (de preferência de fundo grosso), coloque a linguiça cortada em pedaços pequenos, o bacon, o azeite, o louro e o alho amassado, refogue um pouco, junte a fava sem o caldo da cocção e refogue por uns 5 minutos, em fogo baixo, adicione o molho de tomate e o sal e tampe a panela, mantenha em fogo baixo mexendo de vez em quando até que a fava esteja macia. Está pronta a mais deliciosa fava. Tão maravilhosa que até os que torcem o nariz vão se maravilhar e querer mais. Tem dúvida? Então experimente e verá!

Dicas

As favas Phaseolus lunatus L. são uma fonte de alimento e renda. Seu cultivo ainda é relativamente limitado, devido a maior tradição de consumo do feijão comum (P. vulgaris L.). O seu sabor característico meio amargo, fazem com que permaneça no mercado por mais tempo do que os feijões comuns e isso é um dos fatores que prolongam seu tempo de cocção. Por isso é muito importante que se observe a textura da fava quando colocada de molho: se após 3 horas de molho a fava ainda estiver com os grãos engelhados, precisará ficar mais tempo de molho, nesse caso, pode se deixar de um dia para o outro. Mas, se após as 3 horas os grãos estiverem crescidos e lisos, siga a receita indicada acima. Importante fazer essa observação e perceber se a fava foi colhida há muito tempo, o que levará mais tempo no fogo para que fique cozida ao ponto: macia, mas com os grãos inteiros. A fava destaca-se com relativa importância econômica e social por causa de sua rusticidade. Assim faz-se necessário o incentivo à utilização de técnicas de melhor aproveitamento desse recurso natural para o agricultor que busca alternativas para o convívio com a seca.

Que sabor!

Maria Sônia